COLUNA | A cultura do cancelamento

Este texto é dedicado aos perfeitinhos, senhores da razão e que se julgam capazes de determinar o destino do próximo com base nos seus conceitos de moral e de costumes; estes que muitas vezes nem são exercidos pelo próprio na prática.

É o mesmo caso daqueles que julgam corrupção, mas que furam fila ou que ficam com o troco errado.

É claro que não podemos ignorar que vivemos numa comunidade patriarcal, machista, homofóbica e racista, mas é preciso ter critério para qualquer apontamento. Afinal, a causa desta sociedade tão autodestrutiva que temos no Brasil é justamente a falta de amor e de empatia.

Além disso, a nova onda é a de fake news (as famosas mensagens com informações falsas), por isso é preciso conhecer a veracidade do acontecido e também o contexto do qual o ato foi retirado.

É muito comum termos frases colocadas na voz de pessoas e que foram retiradas de um contexto onde as mesmas frases tinham um significado completamente diferente do que foi exposto.

Como consequência do disparo destas mensagens, muitos perdem visibilidade nas redes sociais (o que pode significar perda de subsistência), prejuízos morais, abalos psíquicos e até suicídio. Já pensou nisso?

Sim, é preciso acabar com alguns discursos repugnantes muito comuns nos tempos atuais, mas existem formas jurídicas e legais para tanto. Além, é claro, da possibilidade de usar aquele acontecimento para ensinar milhares de pessoas a conduta correta, de provocar uma reflexão e, por que não, uma mudança.

Dar uma sentença sem o direito de defesa é tão grave quanto o discurso e isso simplesmente porque pode não ser verdade ou algum entendimento deturpado.

Fora a hipocrisia, não é?! Ah…. a hipocrisia!

Cansei de ver no Twitter o cancelamento de pessoas que estão tocando na quarentena por outras que vivem em aglomeração, de pessoas que cancelam artistas por assumirem a sexualidade e se apresentarem no Grindr com “fora do meio”, cancelamentos por conta de discursos racistas feitos por pessoas que postam frases nojentas ou que exercem o preconceito na maior parte dos seus atos e nem vou falar dos cancelamentos referente aos padrões porque já demonstrei meu repúdio sobre este tema em outro texto.

Menos, pessoal. Muito menos.

Pratique a empatia e ensine pelo amor.

O mundo seria lindo se cada um olhasse para si antes de olhar para o próximo. 

Compartilhe:
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email

Deixe uma resposta

Para Você

Posts Relacionados

NOVIDADES | Vintage Culture conquista feito inédito ao emplacar TOP 1 e TOP 2 no ranking de músicas mais vendidas do mundo pelo Beatport

Lukas Ruiz aka Vintage Culture é o primeiro brasileiro da história a conseguir uma dobradinha na maior plataforma de vendas de música eletrônica do mundo, o Beatport, com duas músicas entre as dez mais vendidas do site: o remix “Drinkee”, com John Summit e Sofi Tukker, ficou responsável

COLUNA | Diversidade e inclusão em políticas públicas

Vou dedicar a coluna de hoje para abordar duas ideias em destaque atualmente: a diversidade e a inclusão social. Vale dizer que apesar disso, não é de agora que fazem parte da atenção de profissionais dos inúmeros setores da sociedade

DESTAQUE | DJ Bruno X: Amor pela música, Stream e Hip Hop

Neste mês a Colors DJ Magazine tem como destaque o DJ Bruno X e o Hip Hop.  Bruno dos Santos Caetano, conhecido como DJ Bruno X, nasceu e foi criado na Baixada Fluminense-RJ, mais precisamente no bairro de Morro Agudo.

NOVIDADE | “STARLIGHT” SERÁ O CONCERTO DE YOLA PARA CELEBRAR O ELOGIADÍSSIMO ÁLBUM “STAND FOR MYSELF”

“STARLIGHT”, CONCERTO PARA A CELEBRAÇÃO DO LANÇAMENTO DO ÁLBUM DE YOLA, SERÁ TRANSMITIDO MUNDIALMENTE NA QUARTA-FEIRA 4-5 DE AGOSTO. INGRESSOS JÁ ESTÃO À VENDA https://www.momenthouse.com/yola “‘Stand for Myself’, um álbum feito de forma muito original” – The New York Times

LANÇAMENTO | S.ONE lança “The Wind that Speaks to Me” pela Dear Deer

EP tem remix de Binaryh e OIBAF&WALLEN  A DJ e produtora ucraniana S.ONE retorna a uma de suas gravadoras favoritas, a Dear Deer, com um belíssimo EP de duas faixas originais e mais dois remixes incríveis. “The Wind That Speaks

deixe sua opnião

Sugestão de pauta, opinião sobre nossos textos, envio de lançamentos, ...

%d blogueiros gostam disto: