COLUNA | Afinal, show em festa corta a vibe ou não?


Parte 1: Show de Dançarinos

Polêmica à vista! Quem frequenta nossas festinhas certamente já ouviu a frase: “não gosto de show, pois corta minha vibe”.

Mas será que cortou mesmo? E por quê?

Uma festa de médio a grande porte normalmente oferece mais do que apenas iluminação e DJs tocando. Podemos enumerar: cenografia, decoração, efeitos especiais e, claro, show com dançarinos, com figurinos no tema da festa.

Somos yags e gostamos de beleza.

A primeira entrada dos dançarinos costuma coincidir com o início da apresentação da atração principal: o DJ Headline.

Via de regra, o artista abre seu SET com a música fornecida pela produção, que foi previamente ensaiada pelos dançarinos.

Aí que mora o perigo.

Terminada a primeira música, os dançarinos ainda estão no palco.

O DJ Headline, influenciado por essa canção (que não necessariamente reflete seu estilo musical, mas sim o tema da festa), pode “cair na tentação” de dar sequência à mesma, para não mudar o ritmo dos dancers.

Assim, fugindo da sua essência, da sua identidade musical, entra num terreno desconhecido, que pode dar certo ou não e, se desandar, só conseguirá retomar sua pista depois de 20, 30 minutos.

Nós já vimos isto acontecer algumas vezes, infelizmente. E aí começa a choradeira, com algumas pessoas dizendo que os dançarinos “atrapalharam o DJ”.

Que o show cortou a vibe…

A cena Tribal LGBTQIA+ é marcada pela euforia e o show era supostamente o auge desta euforia, por isso o descontentamento.

Mas de quem é a culpa? Não há culpa! Todos trabalharam para fazer seu melhor.

Porém, na minha visão pessoal e se eu fosse o DJ Headline, entraria com a 2ª música bem no meu estilo. Dentro da minha zona de conforto.

Daria continuidade ao set, sem se importar tanto com a coreografia: os dançarinos são profissionais experientes, que certamente irão tirar de letra.

As entradas seguintes dos dançarinos, com o set já em andamento (ou até com outro DJ), têm bem menos chance de dar errado.

Eles já estão mais à vontade no palco, o DJ consegue “abstraí-los” do seu campo de visão e se concentrar só na conexão com público.

Então, antes de criticar o trabalho alheio, pense com carinho que enquanto nós estamos nos divertindo, aquelas pessoas estavam trabalhando para proporcionar uma experiência visual e auditiva bacana.

Abra seu coração. Imprevistos podem acontecer, mas a arte estará sempre acima de tudo.

Na próxima coluna abordaremos os Live Vocals.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: