ibiza global tv

MATÉRIA | Techno: do subúrbio aos grandes clubs europeus

Viajando para Detroit, em 1980, e conhecendo um pouco da origem, história e algumas sub vertentes.

Detroit tem uma história musical muito rica, nos dando não só uma infinidade de artistas e sendo lembrada quando se fala em hip hop, a cidade foi berço de uma grande contribuição para o cenário eletrônico mundial: o techno.

O estilo que hoje predomina nos clubs europeus nasceu em um cenário bem diferente. Por volta de 1980 em meio a graves crises socioeconômicas, os jovens estadunidenses procuravam maneiras de se divertir e se encontrarem naquele estilo que estava prestes a nascer.

Os locais onde a nova forma musical foi definida eram auditórios, galpões e centros de atividades de igrejas. Em 1988 o estilo já tinha muitos admiradores e isso resultou na criação do Music Institute, o club conhecido por ser o primeiro lugar onde podiam curtir longas noites de techno. A casa adotava uma política de proibição de venda de bebidas alcoólicas e era frequentada por jovens negros, gays e em sua maioria menores de idade. O club comandado por Derrick May teve vida curta e sua última noite foi em 1990, não diminuindo sua gigantesca importância para a cena.

Cartão de membro do primeiro club de techno, o Music Institute - Imagens: site Music Origins
Cartão de membro do primeiro club de techno, o Music Institute - Imagens: site Music Origins

Além de May, outros grandes nomes pioneiros do novo estilo foram Juan Atkins e Kevin Saunderson, que produziam músicas caracterizadas pela obscuridade, com formas primitivas, sem vocais e onde o ritmo predominava. Na década de 90 o techno se espalhou sendo uma grande parte dos produtores do Reino Unido e Holanda, rapidamente o estilo ganhou novas influências e se fragmentou, deixando o techno de Detroit como um subgênero e o início de uma nova história no mundo da música eletrônica.

Gary Chandler na fábrica da Packard. Foto: Brian Gillespie. Imagem: Site Red Bull Music Academy.

Uma das sub vertentes que foram criadas foi o Minimal, que é o techno de uma forma mais minimalista. Explora o uso da repetição, do desenvolvimento discreto e tem uma estética simplificada. Uma nova onda de DJs e produtores trabalharam para tornar o estilo mais minimalista como Richie Hawtin, Daniel Bell e Robert Hood.

Também nos anos 90, o projeto Basic Channel, formado pela dupla de produtores Moritiz Von Oswald e Mark Ernestus, foram os criadores do Dub Techno, estilo que incorpora o minimalismo com efeitos de atraso que eram recorrentes na música Dub. O acid techno também surgiu na Europa, a sub vertente é derivada do acid house.

Por fim, no Brasil a variante mais popular é o Tech House, que como o nome sugere, é uma mistura do techno com o house. Ele mistura elementos do deep e minimal com o soulful house para criar um som mais suave, também leva a parte rítmica do techno com os vocais do house, apreciado por quem prefere um ritmo mais introspectivo. Comparado com a house music, o tech house traz uma sofisticação enquanto mantém a personalidade do techno.

Crédito capa: http://ibizaglobal.tv/the-roots-of-techno-music/ 

COMPARTILHE :

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

deixe sua opnião

Sugestão de pauta, opinião sobre nossos textos, envio de lançamentos, ...

%d blogueiros gostam disto: