Dinho, Sergio Reoli, Samuel Reoli, Alberto Hinoto e Julio Cesar Barbosa, integrantes do conjunto Mamonas Assassinas.

LANÇAMENTO | Mamonas Assassinas ganha releituras muito além do inusitado no EP “Very Crazy”

Buchecha, Koringa, Ivo Meirelles, Anderson Leonardo (Molejo) e dg3 Music mostram o quão plural a obra da banda pode ser, do jazz ao eletrônico

  “Subversão” sempre foi uma palavra inerente aos Mamonas Assassinas. Mesmo carregados de ironia e bom humor, os integrantes do grupo não deixavam passar uma oportunidade de bagunçar a ordem ou provocar os conceitos musicais em sua rápida e marcante obra, referência para toda uma geração que era criança ou adolescente nos anos 90.

E agora o espírito irreverente do grupo de Guarulhos volta à tona com as releituras mais que inusitadas dos clássicos Pelados em Santos, Vira-Vira e Robocop Gay no EP Very Crazy, com produção musical da dg3 Music e lançamento pela Universal Music Brasil, que chega hoje (27) às plataformas digitais. Os artistas selecionados para dar nova vida às pérolas dos Mamonas – e suas releituras – são surpreendentes.

Foto: Reprodução/Redes Sociais.

O cantor Buchecha, um fera no suingue carioca, se uniu ao MC Koringa e entregaram um belo jazz para “Pelados em Santos”. Sim, falamos em jazz!! A música ganhou uma versão tão envolvente quanto emocionante, uma história de amor divertida, embalada por pianos, metais, groove e coro, digna de qualquer clube de jazz pelo mundo.

Já os cantores Ivo Meirelles e Anderson Leonardo (do grupo Molejo) injetaram ainda mais bom-humor em “Vira-Vira” e a levaram para o meio da roda de samba. A “música da suruba” já começa com os astral lá em cima e vai ganhando balanço a cada estrofe, num surpreendente partido-alto, com uma interpretação irreverente e bem carioca de Anderson e Ivo. Ah se os meninos dos Mamonas estivessem aqui para ver o quão diversificada sua música se tornaria!

O novo álbum digital, cujas versões foram aprovadas – e elogiadas – pelos herdeiros e o produtor original da banda (Rick Bonadio), encerra com um remix futurista de “Robocop Gay”, na voz dos próprios Mamonas, um hino dos anos 90 carregado de humor e inclusão muito antes do tema “diversidade” se tornar assunto tão discutido e proclamado. 

O EP contém duas versões do remix, uma completa (extended) e outra mais curta (edit), para fãs de todos os níveis; ambas têm produção musical, programação e remixes assinadas pela turma da dg3 Music, comandada por David Gomes.

Nossa intenção foi fazer uma versão eletrônica para pista de dança, divertida e livre de preconceitos, mantendo o espírito alegre dos Mamonas. Como o tema da canção é bastante sensível, apresentamos o trabalho para diversas pessoas do segmento LGBTQIA+ e todos aprovaram o resultado”, conta David.

O DJ e produtor sempre foi muito fã dos Mamonas Assassinas e as músicas da banda não faltavam em seus sets. A ideia da homenagem surgiu após David ler uma matéria sobre artistas que, infelizmente, faleceram no auge do sucesso. “Isso coincidiu com os 25 anos do acidente que os vitimou e resolvemos, então, fazer esse tributo”, explica ele, referindo-se à trágica queda do avião que levou a banda, durante um voo na Serra da Cantareira, em São Paulo.

Foto: Reprodução/Juicy Santos.

O produtor, então, se debruçou sobre as músicas e as possibilidades de uma homenagem diferente em Very Crazy. De um projeto anterior de releituras jazzy de músicas brasileiras, veio a ideia de “Pelados em Santos”. “Quando mostramos o arranjo jazz para Bochecha e Koringa, parceiros de outras produções aqui na dg3, eles adoraram e toparam na hora”. Já o arranjo de “Vira-Vira” foi criado em samba. “Eles ouviram e sugeriram o Ivo Meirelles, que também aceitou na hora. A cereja do bolo foi o Anderson, que adorou a ideia e, com seu jeito irreverente e brincalhão, deixou a música com o espírito dos meninos dos Mamonas”, completa David. “Queria aproveitar para agradecer ao Jorge Santana, primo do Dinho e gestor da marca dos Mamonas, pelo apoio, parceria e confiança”.

Um dos grupos mais populares e de sucesso meteórico no Brasil, os Mamonas Assassinas lançaram seu único álbum de estúdio em junho de 1995; eram amados por fãs de várias idades, de crianças a adultos, todos conquistados pelo som, humor e ironia de Dinho, Bento, Julio, Samuel e Sergio. Assim os fãs os chamavam – pelo nome –, de tão conectados que eram com suas músicas e atitudes, muito antes da existência de redes sociais. O grupo vendeu quase 2 milhões de cópias do álbum “Mamonas Assassinas” e teve a vida interrompida pelo acidente nove meses depois, em março de 1996.

Os Mamonas deixaram muita saudade e a certeza de que a música brasileira pode e deve seguir subvertendo qualquer ordem – porque a arte não precisa ter regras nem legenda, e sim bom gosto e diversão.

Foto capa: Reprodução/ Revista Exame. por Ricardo Corrêa/Arquivo Abril.

Por Kélita Myra – agosto de 2021.

COMPARTILHE :

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

deixe sua opnião

Sugestão de pauta, opinião sobre nossos textos, envio de lançamentos, ...

%d blogueiros gostam disto: