DESTAQUE | De Goiânia para o mundo

Ao longo de 17 anos de carreira, Leandro Aires (DJ Leanh) se consolidou como um dos produtores musicais mais respeitados do cenário LGBTQIA+ mundial.

Em parceria com o norte-americano Joe Gauthreaux, produziu remixes oficiais para diversas divas do pop. Seis deles (para Madonna, Ariana Grande, Janet Jackson, Rita Ora, Cher e Diana Ross) alcançaram o 1°lugar no Chart Dance Club Songs da Billboard. Foi residente dos clubs D!sel e The Pub, em Goiânia, e atualmente faz parte do casting da The Week.

“Respeitar a história de cada um é ter respeito com a nossa própria história.” Leanh.

Durante a pandemia, mesmo sem festas, foi um dos DJs que mais obteve destaque na nossa cena. Confira agora nossa entrevista com o DJ Leanh:

Poderia nos contar um pouquinho da sua trajetória? Como surgiu a vontade de virar DJ, quais foram, ou quais são, suas maiores referências no Brasil e no exterior?

Sempre fui apaixonado por música. Acho que vem de outras vidas, sabe? Nos momentos de alegrias e de tristezas, ela sempre me amparou.

Em 98, comecei a sair pra baladas e descobri a diversidade de estilos dentro da música eletrônica. Aí nasceu a vontade de ir atrás de remixes, singles, EPs, mas nunca me imaginei tocando.

Em 2002, estava trabalhando na Secretaria de Turismo de Goiânia e vi um anuncio no jornal local: O Hans, famoso DJ goiano, ia ministrar um curso para novos DJs. Resolvi me inscrever por pura curiosidade. Comecei a tocar em 2003 e em 2004, quando ganhei a residência no club D!sel. Resolvi jogar tudo pro alto e focar nesta carreira e estou nela até hoje.

Os meses de isolamento social foram muito difíceis para os profissionais da música, que tiveram que se reinventar. Mesmo sem festas, você foi um dos poucos que conseguiu bastante destaque durante esse ano, não somente por suas produções, mas também por suas apresentações impecáveis nas lives e digital shows. O que ficou de aprendizado deste período tão duro?

As apresentações que fiz foram muito especiais. O carinho que recebi, as mensagens… Fizeram aquele afago no coração. Não há satisfação maior do que poder levar um pouquinho de alegria para as pessoas num momento tão difícil como este.

Todos tiveram que se reinventar e descobrir novas possibilidades. No meu caso, tirei um tempo pra estudar e aprender mais sobre produção musical. Pude também observar com calma como as pessoas estavam consumindo música, o que estavam ouvindo…

Percebi que vários artistas usaram este tempo para arriscar em alguns projetos pessoais e me permiti fazer o mesmo.

Pude me aventurar por outras sonoridades como produtor e perder o medo dos rótulos.

Está sendo uma delícia fazer sons que sempre tive vontade, mas a rotina antes da pandemia não deixava.

Você sair da sua zona de conforto e experimentar coisas novas não é fácil, dá medo, insegurança, mas se você se permitir, vai descobrir um mundo novo de possibilidades. E este mundo novo é incrível! Isto é o que ficou pra mim.

Você é muito querido pelos outros DJs, tanto por sua conduta pessoal, quanto profissional. Porém, em nossa cena LGBTQIA+ parece não haver tanta união entre os DJs como gostaríamos. Na sua visão, qual a contribuição que cada um pode dar para tornar nossa cena mais amigável?

O respeito pela diversidade de trabalhos e gostos musicais na nossa cena: acho que este é o grande segredo para conviver bem com tantos talentos e tantas personalidades diferentes. Nossa cena é muito rica e diversa e há inúmeros talentos nascendo a todo instante. Respeitar a história de cada um é ter respeito com a nossa própria história.

Seu remix de “This is Me” (da trilha sonora do Filme The Greatest Showman), em parceria com o DJ norte-americano Joe Gauthreaux, foi uma das faixas mais tocadas em 2018, não só nas pistas brazucas, como também na cena mundial. Esperava essa repercussão toda, ou quando finalizou o projeto, já teve a sensação de que estava com algo muito especial nas mãos, que iria estourar?

“This Is Me” foi uma surpresa pra gente. Quando fomos chamados, o remix seria feito pro vocal que a Kesha gravou para divulgação comercial do filme. Fizemos todo o remix e aí a música foi indicada ao Globo de Ouro e ao Oscar. A gravadora decidiu não trabalhar o remix da Kesha naquele momento e nos pediu uma versão com a voz original da Keala Settle. Quando houve esta mudança, nós não gostamos tanto no começo porque imaginávamos que as pessoas não comprariam a música nas pistas. Finalizamos e em seguida mandei pra dois amigos próximos as duas versões, só pra ouvir a opinião deles. Os dois amaram a música na voz da Keala. Rs… No mesmo dia, toquei o remix pela primeira vez no The Pub (club que eu era residente em Goiânia). A reação dos meus amigos e da pista me fez perceber que a gente estava enganado. É um trabalho que será sempre muito especial pra mim.

“…tenho inúmeros caminhos pra seguir, sem rótulos e sem amarras.” Leanh.

Foto de divulgação.

Conte mais sobre essa bem-sucedida parceria com Joe Gauthreaux nas produções. Sabemos que a tecnologia ajuda muito a comunicação, mas não deixa de ser inusitado vocês produzirem tanta coisa boa, a milhares de quilômetros de distância um do outro! A gente tem curiosidade em saber como se conheceram, quando caiu a ficha que tinham bastante afinidade, e também como funciona o dia-a-dia do processo criativo de vocês.

Eu vi o Joe pela primeira vez num evento em 2011, no RJ, e no ano seguinte, tive a oportunidade de tocar com ele no The Pub. A partir desta noite, sempre mantive contato com ele. Quando comecei a produzir, enviava as minhas músicas até que ele me chamou pra fazer um remix de uma original dele com a voz de Inaya Day. Ele gostou muito do resultado e pouco tempo depois me chamou para fazermos o remix para a música “Stronger Together”, que foi tema da campanha da Hillary Clinton na época. A música ficou em terceiro lugar no Top Dance Club Songs da Billboard. Por causa deste projeto, os convites surgiram e aos poucos fomos vendo que a gente tinha uma química boa produzindo.

Joe tem um ouvido muito sensível pra música. Aprendo sempre com ele. Ele ama melodias, ama criar coisas que despertam emoção nas pessoas. Isto é algo que me identifico muito. Acho que por isto a mágica acontece.

Ao longo destes anos, fomos descobrindo as particularidades um do outro, tornando o trabalho bem mais fácil. Há respeito, cuidado e parceria.

Decidimos este ano dar um tempo dos remixes pra focar num trabalho original. Em breve lançaremos nossa primeira original com o vocal da diva Suzanne Palmer. Ansioso pra mostrar esta música pra vocês!

Como foi a experiência de produzir um remix oficial da Madonna (Crave)? Conte mais sobre essa fantástica experiência.

Foi surreal. Nunca na minha vida imaginei que um dia faria um remix pra Rainha.

Joe e eu pensamos muito em todos os detalhes, porque todos os trabalhos são aprovados por ela.

Por causa disto, a pressão foi bem maior. Foram 30 dias de trabalho intenso.

Fizemos e refizemos várias vezes antes de ter a versão final. Enviamos e só soubemos do resultado muitas semanas depois.

Foi uma conquista muito importante pra gente, pra nossa história.

“Cada pessoa aprende e desenvolve de maneira diferente.” Leanh.

Foto de divulgação.

Quais são suas expectativas para 2021, e o que ainda falta conquistar na sua carreira?

Será um ano de recomeço pra todos. Acredito que depois desta tempestade que foi 2020, o próximo ano será de intensa alegria pra todo mundo. Tenho fé nisso!

Ainda tenho muitos sonhos como DJ (tantos lugares incríveis pra tocar) e como produtor para realizar.

Estou produzindo diversas músicas novas, com as sonoridades que todos já conhecem e outras que nem eu imaginava produzir, além de um álbum só de originais. Estou me divertindo com estes novos trabalhos.

Como produtor musical, tenho inúmeros caminhos pra seguir, sem rótulos e sem amarras. Vencer esta barreira é meu grande objetivo neste momento.

Uma dica para quem está aprendendo a produzir música agora. Que conselho daria a essa pessoa?

Faça o que você acredita, o que te toca, o que te faz feliz e na história que você quer contar com a sua música.

Estude sempre. Música é um aprendizado constante.

Respeite o seu tempo. Não somos máquinas. Cada pessoa aprende e desenvolve de maneira diferente.

Esteja atento ao que está acontecendo no mercado. Se permita escutar outros sons e buscar referências para o seu trabalho.

Não se cobre tanto. Tudo tem seu tempo e sua hora pra acontecer.

Compartilhe:
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram
Share on email
Email

Deixe uma resposta

Para Você

Posts Relacionados

REVELAÇÃO | Nicole Lukiys: “Eu me encontrei ali atrás dos decks.”

Conheça Nicole Lukiys, apaixonada pela técnica da mixagem, constrói sets marcados pela dinâmica e harmonia. Ela é a revelação do techno desta edição de maio. Misturando vertentes como hard techno, peak time, techno rave, industrial, e influências do breakbeat e

LANÇAMENTO | “Classix Remix vol. 2”, por Roberto de Carvalho

Depois da incomensurável surpresa que foi o lançamento do primeiro volume do “Rita Lee e Roberto – Classix Remix”, às vésperas do lançamento do segundo volume, fico até inibido de escrever algo que esteja à altura deste projeto maravilhoso que

LANÇAMENTO | MARTIN GARRIX TEM AS COLABORAÇÕES DE BONO VOX E THE EDGE NO LANÇAMENTO DA FAIXA “WE ARE THE PEOPLE”

Hoje, os membros do U2, Bono Vox e The Edge, colaboram com o DJ holandês Martin Garrix na faixa “We Are the People”, single oficial do torneio de futebol UEFA Euro 2020. O U2 também acaba de disponibilizar no Spotify

LANÇAMENTO | A ESPETACULAR COLABORAÇÃO DE SIR ELTON JOHN E O YEARS & YEARS, NA RELEITURA DO CLÁSSICO “IT´S A SIN”, JÁ ESTÁ EM TODAS AS PLATAFORMAS DIGITAIS

Elton John e Years & Years se reuniram para uma performance verdadeiramente espetacular do clássico “It´s a Sin”, dos Pet Shop Boys, na cerimônia de premiação do BRIT Awards, realizada no último dia 11.  Assista aqui: A canção agora está

LANÇAMENTO | Le Dib segue com nova sonoridade de 2021 em “Gone” pela Sony

Em nova produção pela Sony, desta vez com uma pegada de Indie Rock, mas perfeita para as pistas de música eletrônica, Le Dib lança “Gone” surpreendendo novamente com sua maestria e versatilidade, e mantendo a nova sonoridade apresentada para 2021.

%d blogueiros gostam disto: